A primeira equipa campeã nacional de hóquei de Sala pelo Cascais (2001)

431452_364799790217742_1267800946_n
Equipa de Juniores do Grupo Dramático e Sportivo de Cascais que foi campeã nacional de hóquei de sala em 2001. Fotografia tirada no antigo pavilhão de Cascais. Em cima: Sr. Alfredo (delegado), Pedro Feijó (capitão), Tiago Ferreira, Bernardo Fernandes e João Miguel Freitas (treinador). Em baixo: Marco Borges, Rui Guerra, Fernando Medina, Luís Cunha, Igor Santos e André Quintino. Fotografia: André Cardoso.

Corria o dia 11 de Fevereiro de 2001 quando, pela primeira vez na sua História, o Grupo Dramático e Sportivo de Cascais foi campeão nacional na modalidade de hóquei de sala, tendo o feito ocorrido no Complexo Desportivo de Alcabideche. O titulo foi conseguido pela equipa de Juniores, na altura formada por 9 jogadores: Fernando Medina, Marco Borges, Tiago Ferreira, Pedro Feijó, Rui Guerra, Luís Cunha, Bernardo Fernandes, Igor Santos e André Quintino. No entanto, 6 destes jogadores, apesar de também jogarem pelo Juniores, na altura ainda eram Juvenis. Em comum, todos os 9 jogadores tinham uma grande amizade e o facto de serem oriundos da mesma escola preparatória: 2º e 3º ciclo Professor António Pereira Coutinho.

digitalizar0002Liderados pelo então jovem treinador João Miguel Freitas e representados pelo delegado Sr. Alfredo, esta equipa conseguiu um feito inédito para o clube. Se havia quem agourasse que o Cascais nunca seria campeão nacional nesta modalidade, até mesmo gente do próprio clube, tal ideia dissipou-se com uma vitória de 4 – 2 perante o Núcleo Sportinguista de Alfândega da Fé. Nos jogos anteriores, o Cascais havia empatado 2 – 2 com o Casa Pia Atlético Clube e vencido, por 1 – 0, a Associação Desportiva de Lousada. Recorde-se que os campeonatos nacionais de hóquei em Sala, por esta altura, disputavam-se em dois dias seguidos, onde, no total, cada equipa realizava três jogos. Mas antes disso, importa salientar, tinha lugar um campeonato regional, onde somente as melhores equipas de cada região envolvida eram apuradas para disputar o campeonato nacional.

430438_369218619775859_1003969105_n
Equipa de Juniores logo após receber a taça de campeã nacional.

digitalizar0007

Nesse mesmo ano de 2001, a equipa de Juvenis de hóquei de sala do Cascais também se sagrou campeã nacional, em Mirandela, feito igualmente alcançado pela equipa Feminina. Três títulos nacionais em apenas um ano, tónico bastante motivante para o futuro. Infelizmente, no ano posterior os dirigentes da própria equipa de hóquei do Cascais decidiram pôr fim à equipa de Juniores, onde o elemento mais antigo, Fernando Medina, já vinha a exercer actividade desde 1992, altura em que o treinador era José Maria Maximino. Isto fez com que alguns jogadores abandonassem a modalidade, não voltando a praticá-la. Outros ainda chegaram a jogar pelos Seniores, mas, por diferentes motivos, foram deixando o hóquei. Foi um fim precoce para uma equipa de Juniores que ainda tinha muito para dar à modalidade. É verdade que um ou dois anos depois o Cascais voltou a ter equipa de Juniores, mas alguns atletas já não tinham idade para disputar esse escalão.

digitalizar0001
Pedro Feijó, capitão da equipa de Juniores. Um grande defesa direito, um dos jogadores mais disciplinados de sempre.

Mas voltando a Fevereiro de 2001, há que destacar a vitória contra o Lousada. O resultado desse jogo (1 – 0) foi atípico, pois estamos perante uma modalidade onde normalmente existem muitos mais golos. Em todo o caso, o escasso resultado não significou falta de qualidade e de espectáculo de ambos os lados. Pelo contrário, o jogo teve uma entrega e intensidade tremenda por parte dos jogadores, grandes lances e ocasiões, mas com os guarda-redes e os defesas a responderem muito bem às investidas contrárias. Já próximo do final do jogo, quando alguns pensavam que o resultado iria ser 0 – 0, o avançado esquerdo Tiago Ferreira, pela esquerda, rematou fortíssimo para a baliza contrária, inaugurando o marcador. Explosão tremenda! Estava feito o primeiro, o único do jogo. No total, Tiago Ferreira marcou 6 golos no campeonato nacional, tendo sido provavelmente o melhor marcador da prova.

Anos mais tarde, o Grupo Dramático e Sportivo de Cascais, já no seu novo pavilhão, viria a banir as modalidades de hóquei de Sala e hóquei em campo (esta última existente no clube desde 1975), as quais deram, nos diferentes escalões, desde a década de 1970, vários títulos regionais e nacionais ao clube. É de referir igualmente que, ao longo da existência destas modalidades, vários atletas do Cascais representaram a Seleção de Lisboa e a Seleção Nacional em campeonatos disputados em Portugal e no estrangeiro. Talvez um dia as consciências mudem, esperando-se que no futuro o hóquei de sala e o hóquei em campo possam voltar a ser praticados no Grupo Dramático e Sportivo de Cascais.

Marco Oliveira Borges | 2020