Apontamentos sobre Sintra e Cascais durante a Idade Média

Moinho
Fig. 1 – Moinho de vento com a serra de Sintra como pano de fundo (Alcabideche).           Fotografia: Alexandra Morais

As relações entre Sintra e Cascais durante a Idade Média, territórios intimamente ligados entre si desde tempos recuados, foram sendo parcialmente apontadas por alguns investigadores que se dedicaram ao estudo da História de Cascais durante o século XX. Essas relações acabariam por ganhar maior importância já em finais da década de 1980, isto com as investigações desenvolvidas por A. H. de Oliveira Marques. O historiador cascalense, no seguimento das investigações que estava a realizar sobre o seu concelho natal, chegou mesmo a proferir uma conferência intitulada “Sintra e Cascais na Idade Média” (Palácio Nacional de Sintra, 3/7/1987), tendo o texto de apoio sido publicado no ano posterior[1].

Não crendo na teoria de que o topónimo Sintra pudesse ter surgido durante o Período Romano, Oliveira Marques referiu que tinha indiscutivelmente uma origem árabe, se bem que não se soubesse o étimo (árabe ou berbere) que lhe deu lugar. O historiador destacou que Sintra já era uma importante cidade nos séculos X e XI, se não antes, vindo referida entre os autores muçulmanos como um dos grandes povoados que existia no Ocidente da Península Ibérica (Garb al-Ândalus). Em relação ao território de Cascais, e à semelhança de Sintra, a toponímia de raiz árabe atestava uma colonização abundante e com estabelecimentos novos durante os quase quatro séculos e meio de ocupação muçulmana. Destaque para o topónimo Alcabideche, pequeno povoado na dependência de Sintra, decerto a ela ligado por estrada[2]. De Alcabideche era natural Abu Zaid Ibn Muqana al-Qabdaqi al-Ushbuni, famoso poeta que deu a conhecer a existência de moinhos de vento nessa área.

O interesse pelas relações entre Sintra e Cascais durante a Idade Média ainda hoje é visível entre os investigadores, sendo que os trabalhos recentes têm trazido diversas novidades, seja para o Período Islâmico como para os séculos XIV-XV. Para o primeiro caso, tem-se fortalecido a ideia de que durante aquele período histórico começara a ganhar forma um sistema de defesa costeira a partir de Sintra que teria necessária continuação pelo actual litoral cascalense[3], embora Cascais não tenha sido alvo da atenção dos autores muçulmanos, os quais, aliás, não tiveram em conta a realidade portuária entre a costa de Sintra e o porto de Cascais, se bem que exista uma possível descrição da Boca do Inferno[4]. De forma comprovada, existem somente as descrições relativas a Alcabideche, nomeadamente por intermédio de Ibn Muqana (século XI)[5]. Nem mesmo o foral de Sintra de 1154 (o qual chegou até aos nossos dias através de dois traslados feitos no século XV) alude a Cascais como parte integrante do termo sintrense, ainda que durante o século X devesse existir um iqlim em Sintra que englobaria Cascais e Mafra nos limites do seu termo[6]. É verdade que existem referências à passagem dos cruzados que auxiliaram na “Reconquista” de Lisboa (1147) pelo porto de Cascais, com expressa alusão a este topónimo, mas essas informações, se bem que alegadamente baseadas numa memória documental do século XII, aparecem muito tardiamente[7]. É num documento de 1282 que, pela primeira vez, o topónimo “Cascays” vem atestado (fig. 2). Em todo o caso, nos últimos tempos tem ganho forma a forte possibilidade de que o topónimo Cascais possa mesmo ter uma origem árabe, estando associado ao contexto de defesa costeira do al-Ândalus[8].

1282
Fig. 2 – Alusão documental mais antiga que se conhece ao topónimo “Cascays”. Fonte: ANTT, Chancelaria de D. Dinis, liv. I, fls. 46v-47.

Um aspecto bastante sintomático das relações entre Sintra e Cascais, e que se destaca na documentação dos séculos XIV-XV, são os conflitos jurisdicionais que opuseram os poderes locais e os habitantes destes dois territórios. A aldeia de Cascais foi elevada a vila em 1364, ficando isenta da sujeição a Sintra[9], mas só em 1370 conseguiu a criação do seu termo, desmembrando-se assim do território sintrense[10], que se regia pelo foral outorgado por D. Afonso Henriques em 1154. No entanto, mesmo depois da criação do termo e senhorio cascalense surgiram diversas dúvidas e cobiças territoriais, até porque doravante algumas pessoas passaram a ter propriedades nas zonas de fronteira entre ambos os territórios, por vezes não se sabendo exactamente em que local começava a fronteira ou fazendo-se vista grossa. Na verdade, os sintrenses não viram com bons olhos a desanexação do território de Cascais. Em 1387, num dos muitos problemas que surgiram, a rainha D. Filipa de Lencastre, que havia entrado na posse de Sintra, tentou apossar-se de Cascais. A situação levou a um conflito com os funcionários do doutor João das Regras, na altura senhor de Cascais, vindo este a conseguir de D. João I uma carta de confirmação dos seus direitos sobre este senhorio[11].

Termo de Cascais
Fig. 3 – Termo de Cascais nos séculos XIV-XV. Fonte: A. H. de Oliveira Marques.
Filipa_lencastre
Fig. 4 – D. Filipa de Lencastre. Fonte: Manuela Santos Silva, A rainha inglesa de Portugal. D. Filipa de Lencastre, Círculo de Leitores, 2012.

Um outro elemento fundamental nas relações entre Sintra e Cascais foi o porto cascalense. Embora o esteiro de Colares tenha funcionado como porto de Sintra ainda durante o Período Islâmico, escoando-se por ali mercadorias para Lisboa, actividade que remontaria pelo menos ao Período Romano[12], terá deixado de ser navegável durante os séculos XII-XIII[13]. Assim, não admira que anteriormente a 1377 o escoamento da produção vinda do hinterland[14] sintrense e que era destinada a Lisboa, Sevilha e a outros locais, incluindo ao Mediterrâneo[15], já fosse feito através de Cascais, que funcionava como porto de Sintra[16].

Marco Oliveira Borges | 2016

[1] A. H. de Oliveira MARQUES, “Sintra e Cascais na Idade Média”, in Novos Ensaios de História Medieval Portuguesa, Lisboa, Editorial Presença, 1988, pp. 144-153.

[2] Idem, ibidem, pp. 145-146.

[3] Marco Oliveira BORGES, “A defesa costeira do litoral de Sintra-Cascais durante o Garb al-Ândalus. I – Em torno do porto de Colares”, in História. Revista da FLUP, IV: 2 (2012), pp. 109-128; idem, “A defesa costeira do litoral de Sintra-Cascais durante a Época Islâmica. II – Em torno do porto de Cascais”, in Ana CUNHA, Olímpia PINTO e Raquel de Oliveira MARTINS (coord.), Paisagens e Poderes no Medievo Ibérico. Actas do I Encontro Ibérico de Jovens Investigadores em História Medieval. Arqueologia, História e Património, Braga, Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória», Universidade do Minho, 2014, pp. 409-441. Recentemente, no âmbito do programa televisivo “Caminhos” (RTP2), tivemos a oportunidade de participar num episódio sobre “A defesa costeira no litoral de Sintra-Cascais durante o Período Islâmico”. O episódio pode ser visto através da seguinte ligação: https://www.youtube.com/watch?v=xVvG-KbkVvw&feature=em-upload_owner (consultado em 10-05-2015).

[4] Cf. Fátima ROLDÁN CASTRO, El Occidente de Al-Andalus en el Atar al-Bilad de al-Qazwīnī, Sevilla, Ediciones Alfar, 1990, p. 91; Adel SIDARUS e António REI, “Lisboa e seu termo segundo os geógrafos árabes”, in Arqueologia Medieval, 7 (2001), pp. 45-46 e 55-56; António REI, O Gharb al-Andalus al-Aqsâ na Geografia Árabe (séculos III h. / IX d.C. – XI h. / XVII d.C.), Lisboa, Instituto de Estudos Medievais, 2012, p. 123, n. 3.

[5] O poeta nasceu em Alcabideche, em inícios do século XI ou finais do anterior. É provável que não tenha vivido muito para além de 1068 (cf. António Borges COELHO, Portugal na Espanha Árabe, 3.ª ed. rev., Lisboa, Editorial Caminho, 2008, pp. 524-525 e 552, n. 44).

[6] Alguns indícios levam a crer “que a figura do Iqlim em torno das grandes cidades poderá corresponder à área sobre a qual o aglomerado exerce um controlo económico e espacial” (Catarina COELHO, “A ocupação islâmica do Castelo dos Mouros (Sintra): interpretação comparada”, in Revista Portuguesa de Arqueologia, 3: 1 (2000), p. 208).

[7] Cf. Marco Oliveira BORGES, “Em torno da preparação do cerco de Lisboa (1147) e de uma possível estratégia marítima pensada por D. Afonso Henriques”, in História. Revista da FLUP, IV: 3 (2013), pp. 127-129. Disponível em https://www.academia.edu/5666143/Em_torno_da_prepara%C3%A7%C3%A3o_do_cerco_de_Lisboa_1147_e_de_uma_poss%C3%ADvel_estrat%C3%A9gia_mar%C3%ADtima_pensada_por_D._Afonso_Henriques_2013_http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/11716.pdf.

[8] Cf. Marco Oliveira BORGES e Helena Condeço de CASTRO, “O navegador muçulmano Khashkhash e a possível ligação com o topónimo Cascais: problemas e possibilidades”, in Arquivo de Cascais. História, Memória, Património, 14 (2015), pp. 6-29.

[9] Cf. A. H. de Oliveira MARQUES, Carta de Vila de Cascais de 1364. Estudo e transcrição de […], Cascais, Câmara Municipal de Cascais, 1989, pp. 5-18.

[10] ANTT, Chancelaria de D. Fernando, liv. 1, fl. 56.

[11] Cf. Chancelarias Portuguesas. D. João I, vol. II, t. I, Lisboa, Centro de Estudos Históricos da Universidade Nova de Lisboa, 2005, pp. 151-152, doc. 261; A. H. de Oliveira MARQUES, “Sintra e Cascais na Idade Média”, p. 152.

[12] Marco Oliveira BORGES, “A defesa costeira do litoral de Sintra-Cascais durante o Garb al-Ândalus. I […]”, pp. 118-119; idem, “Portos e ancoradouros do litoral de Sintra-Cascais. Da Antiguidade à Idade Moderna (I)”, in Jornadas do Mar 2014. Mar: uma onda de progresso, Almada, Escola Naval, pp. 152-164. Disponível para consulta e descarregamento gratuito em  https://www.academia.edu/22073421/Portos_e_ancoradouros_do_litoral_de_Sintra-Cascais._Da_Antiguidade_%C3%A0_Idade_Moderna_I_2015_.

[13] Mais provavelmente durante o século XII, devendo ainda ter servido de acesso ao interior do território quando Sigurd atacou Sintra em 1109 (cf. Maria Teresa CAETANO, Colares, Sintra, Câmara Municipal de Sintra, 2000, p. 41; Marco Oliveira BORGES, “A defesa costeira do litoral de Sintra-Cascais durante o Garb al-Ândalus. I […]”, pp. 124-125; idem, O porto de Cascais durante a Expansão Quatrocentista. Apoio à navegação e defesa costeira. Dissertação de Mestrado em História Marítima, Universidade de Lisboa, 2012, pp. 167-168; idem, “Portos e ancoradouros do litoral de Sintra-Cascais. Da Antiguidade à Idade Moderna (I)”, p. 160).

[14] Sobre este conceito, cf. Marco Oliveira BORGES, “Hinterland”, in José Vicente SERRÃO, Márcia MOTTA e Susana Münch MIRANDA (dir.), E-Dicionário da Terra e do Território no Império Português, Lisboa, CEHC-IUL, 2016. Disponível em https://edittip.net/category/hinterland/.

[15] Sobre este assunto e teias comerciais envolvidas, cf. idem, O porto de Cascais […], pp. 94-102.

[16] A. H. de Oliveira MARQUES, op. cit., p. 151.

 

Anúncios

5 comentários sobre “Apontamentos sobre Sintra e Cascais durante a Idade Média

  1. Parabéns Marco, uma síntese bem explicada e conseguida.
    Na verdade a génese do problema, da falta de informação de Sintra e Cascais na Idade Média, é já anterior.
    Os territórios de Sintra e Cascais faziam parte do ager de Olisipo e continuaram a sê-lo após a queda do império Romano.
    Os vestígios dos seus habitantes tardo-romanos e visigodos na envolvência de olisipo são mais que muitos. Tiveram continuidade durante o período de governação muçulmano que se limitou a pouco mais do que receber os impostos dos moçárabes através de Uxbuna.
    Construíram os castelos de Sintra e Colares, bem como aproveitaram as ruínas de antigas instalações romanas para criar vigias ao longo da costa, como foram os casos da Ponta do Facho, na Praia das Maçãs e do Espigão das Ruivas, no Porto Touro, Biscaia, que serviam fundamentalmente para aviso da chegada de navios do Norte da Europa, quando aqueles se deslocavam às terras costeiras do Al-Andaluz para praticar razias.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s